sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Entrevista - A Marcenaria em Fortaleza

Cadeira Nilse - Alunas do Curso de Designer de Interiores da Faculdade Estácio FIC

Quais as perspectivas do profissional da marcenaria em Fortaleza? O que pensa esse profissional que lida diariamente com essa nobre matéria que é a madeira? Os destinos da marcenaria em nossa cidade, que antes de ser profissão é sobretudo uma arte. Sobre esses tópicos o Jornal Fortaleza Decor entrevistou Nilson Monteiro fundador da AMFOR - Associação das Marcenarias de Fortaleza e Professor Robson Gomes, Coordenador do Curso de Design de Produtos da Faculdade Estácio FIC.


Fortaleza Decor - Professor Robson, como está o mercado de marcenaria aqui em Fortaleza?

Prof. Robson- O mercado da marcenaria tem crescido e todo mercado é impulsionado pela economia. A economia aqui de Fortaleza foi gratificada pela chegada de muitas lojas de móveis modulados, mas nem todo cliente fica satisfeito com apenas essa opção. Ele vai à loja, mas encontra outra possibilidade de pesquisa que são os Marceneiros. Estes fazem o mesmo serviço, alguns deles até com qualidade superior. Vejo que o mercado da Marcenaria tem sido impulsionado tanto com a chegada de lojas que vendem o mesmo serviço de confecção e instalação de produtos quanto pelos profissionais que atuam no mercado hoje como o Designer de Interiores. Acho que o futuro da Marcenaria no Ceará vai ser muito parecido com o dos maiores pólos que temos no Sul do país onde foi criado um pólo de marcenaria industrial. Vejo a marcenaria industrial como o futuro da marcenaria daqui de Fortaleza. Para ter essa marcenaria industrial aqui se precisa ter excelência no serviço, qualidade no produto final e organização para se começar um trabalho realmente evitando perdas e prejuízos pra o cliente.


Fortaleza Decor - Que faz o cliente preferir um trabalho de marcenaria a uma loja de móveis pré-moldados?

Prof. Robson- Aí nesse caso temos dois tipos de móveis: móveis sob-medida e móveis prontos que são chamados tecnicamente de mobiliário de composição. O que vai levar a pessoa a procurar um marceneiro para substituir um mobiliário de composição seria a personalização do ambiente dele. Então o marceneiro tem condições hoje de auferir as medidas do local e adaptar o mobiliário ao gosto do cliente, ou seguir um projeto de um profissional, um serviço similar ao serviço das lojas. A grande vantagem do cliente é que ele vai ter um ambiente personalizado. É como se o mobiliário tivesse crescido dentro da casa dele, onde tudo já estava no local certo. Por outro lado não vejo barreira do marceneiro trabalhar com móveis de composição. Fazer estrutura de madeira e trabalhar com parceiros que vão colocar a espuma, que vão colocar o tecido, que vão colocar outro material agregando à composição do mobiliário que não tem esse domínio, essa tecnologia na marcenaria dele. Se não tiver como fazer um trabalho com vidro, ter um parceiro de uma vidraçaria que vai colocar, por exemplo, portas de vidro no mobiliário, trabalhar com pastilhas de vidro, todos os componentes que podem estar inseridos no projeto.


Fortaleza Decor - Quais são os projetos que existem aqui em Fortaleza para melhor qualificação da marcenaria?

Nilson (AMFOR) - Há 10,12 anos o SENAI ofereceu cursos não apenas direcionados à marcenaria, mas direcionados a indústria moveleira como um todo. Como a demanda era pouca, o curso acabou se esvaindo pela pouca freqüência e agora no momento está havendo novamente uma demanda na necessidade de treinar esse profissional de marcenaria agora puxado pelas marcenarias que estão se desenvolvendo, evoluindo para uma forma mais industrial e atualmente nós podemos dizer que o SENAI não dispõe de curso nenhum para marcenaria a não ser aqueles cursos de metromegia, que ensina como ler projetos, como tirar medidas. Técnica mesmo da marcenaria não dispomos de nenhum. O que as marcenarias têm hoje de facilidade de administração são os cursos do SEBRAE na área humana, na área administrativa, mas o “chão de fábrica” tem uma demanda muito grande e aberta. É uma solicitação da AMFOR juntamente com parceiros para que isso possa ter em pouquíssimo tempo aqui no Ceará.


FD- Sabemos que na parte de planejamento de um ambiente existe a seção marcenaria. Qual a importância que o profissional, o arquiteto ou o designer de interiores dá a essa questão da marcenaria aqui em Fortaleza?

Prof. Robson – Vai depender muito do projeto, mas em sua maioria a madeira é ainda um dos materiais mais presentes nos projetos de interior. A madeira e o vidro, até por que em Fortaleza a gente tem uma maresia muito forte e trabalhar com inox e alumínio fica um pouco mais caro. Então madeira hoje é bastante utilizada e bem viável pela nossa condição natural


FD – E a questão do design. Aqui em Fortaleza se faz trabalho em marcenaria utilizando um design mais moderno, mais competitivo?

Nilson - A AMFOR, tem se destacado exatamente por dar grande importância a esse ponto. Percebemos que as empresas de marcenaria estão tendo uma evolução. Estão formando um novo conceito. Elas em parceria com um designer ou um arquiteto também passaram a oferecer aos clientes ambientes prontos e modernos, tornando-se assim cada vez mais competitivas.


FD – De um modo geral existe a possibilidade do trabalho de marcenaria aqui de Fortaleza melhorar?

Nilson - Eu costumo dizer que a marcenaria tem problemas mais ou menos parecidos com os da construção civil. A construção civil aqui de Fortaleza a mais ou menos 10 anos tinha problemas de toda natureza. Hoje a marcenaria tem os mesmos problemas, mas nós já temos um atenuante na trajetória que é o sindicato de associações que trabalha no sentido de que haja uma evolução. Existe um mercado muito grande, existem largas avenidas a serem ocupadas, desde o desenvolvimento de produto para ótica, clínicas, lojas, e ainda a malha comercial como um todo, de pessoas físicas, de pessoas jurídicas, e não somente pessoa física onde a marcenaria é mais atuante. Existindo essas grandes possibilidades se exige também que a marcenaria possa ter uma evolução no seu negócio. Hoje ela mais do que nunca precisa se organizar porque as lojas de modulados estão avançando de uma forma assustadora. Algumas marcenarias ainda têm uma postura antiquada, e esse grupo vem exatamente trazer essas empresas para o presente. Fazendo com que essa evolução possa acontecer com mais rapidez, por que o mercado não espera e a gente sabe que existem hoje em dia muitas marcenarias fechando. Quem tem dinheiro investe, e quando se investe tem mercado e isso nós temos visto dentro das marcenarias da AMFOR. Nós observamos, por exemplo, que o mercado da zona norte do estado é super-aberto para todos. Não só englobaria Sobral como toda aquela região em torno de Sobral e o potencial é muito grande. Nós sabemos que esse mercado existe e para que possamos ter uma boa fatia dele é necessário ter muita organização e muita mudança de atitude.


FD- As intituições acadêmicas tem demonstrado interesse em estabelecer parcerias?

Prof. Robson- Total interesse. A gente precisa muito do profissional que está no mercado trabalhando com marcenaria para dar um apoio aos professores em sala de aula. Palestras, onde o Nilson é frequentemente convidado a expor um pouco do dia-a-dia dele, da sua experiência no mercado e o tipo de serviço que ele presta. Estar perto da marcenaria e da escola, estar junto da escola e da marcenaria, uma troca de experiências. Nós temos que contar com apoio daqueles que vieram com a gente lá do inicio há quatro anos, quando começou a preocupação com o design e a fazer esta parceria. Todo setor ganha por ter profissionais preocupados em dar uma nova visão a esse mercado. Ficamos muito lisonjeados em ter essa parceria, isso a gente fala todos os dias e nos colocamos a disposição deles. Quando eu conheci a AMFOR ela ainda era OMAF e eu senti uma facilidade muito grande em trabalhar com eles. Foi impressionante como eles conseguiram assimilar o conceito do design, esse conceito de reaproveitamento de sobras, o conceito da marcenaria limpa, este conceito da economia industrial voltada para indústria madeireira, a conscientização que eles tem do uso da madeira de reflorestamento, o controle de estoque de madeira. Vejo como parceiros muito inteligentes, que assimilam rápido os conceitos mais modernos que temos hoje na marcenaria, na marcenaria industrial.


FD – Para gente finalizar, tem alguma consideração final?

Prof. Robson – Minha consideração final seria mais um conselho. Eu acho que é uma classe que tem que estar sempre unida, que precisa investir em maquinário, pois a concorrência muitas vezes se torna até desleal e se eles realmente não investirem em maquinário não terão condições de apenas com a experiência estar em um mercado que cresce muito rápido.

Nilson – Hoje a marcenaria tem que caminhar mais para realidade industrial. Estar sempre atualizada e planejar o modo que ela vai fabricar. Estar sempre “antenada” com os lançamentos, participar de feiras, participar da palestras, de grupos de discussões, de encontros com nossos parceiros, para que possamos ter cada vez mais esclarecimento e conhecimento e assim nos tornarmos cada vez mais empresas e empresários de sucesso.

7 comentários:

Christiane Silva disse...

Parabéns pelas entrevistas.
Muitas informações relevantes e animadoras.

=)

Leticia disse...

Ola,
Deixo aqui o meu apelo:
"Curso de Marcenaria" aqui em Fortaleza. Sou a 1ª da fila ha tempos.

Parabens a todos!
Leticia

Gasômetro Madeiras disse...

Muito legal para trocarmos informações de regiões diferentes sobre o assunto!
Acabamos de criar um BLOG para o Setor Moveleiro ( Marceneiros).
Acesse, Divulgue e comente! www.madeirasgasometro.com.br/blog
Muito Obrigado!

Flávia Móveis disse...

Ola gostei muito do blog, eu tenho uma marcenaria acesse http://flaviamoveis.blogspot.com
gostaria de ser parceiro do seu blog.

rodna_2010 disse...

como conhecer melhor a amfor?gostaria de associar meu marido,pois ele é marceneiro a 28 anos.

Fortaleza disse...

Rodna entre em contato pelo nosso email:
atendimentoaoleitorfd@gmail.com que eu lhe envio o que necessita.
abrs,

Alyne Rodrigues disse...

pra quando?
quanto mais procuro sobre o assunto mais triste eu fico... a muito tempo procuro um lugar onde possa aprender o passo a passo da profissão, mas além do mercado ser fechado em empresas familiares o univrso masculino ainda exclui as tentativas de uma mulher entrar no mercado. adoraria, deixo de lado o titulo de especialista em mkr pra virar aprendiz de marceneira, mas é um sonho. qualquer oportunidade, por favor, avisem: lynemr@gmail.com

Postar um comentário